images (1).jpg
21617669_10213854198367168_8456219922287
13036efd-da31-4656-a36c-89d6054995e3_rw_

O túmulo mais visitado do Cemitério Municipal de Maringá, do menino Clodimar Pedrosa Lô, torturado e espancado até a morte por dois policiais em 1967, já é conhecido pela população maringaense como um dos crimes que mais marcaram a cidade.

Clodimar deixou a família no Ceará e veio morar com o tio, trabalhava como carregador de malas no Palace Hotel. Após um hóspede queixar-se de um valor em dinheiro desaparecido do seu quarto, o menino foi acusado pelo roubo e entregue à polícia que o torturou até a morte no dia 23 de novembro de 1967. O crime chocou não só a população da cidade, mas todos os recantos do Brasil por onde a notícia se espalhou.



Em diversas rádios e jornais falaram intensamente sobre o crime e assim uma segunda tragédia aconteceu. Em outubro de 1970, o pai de Clodimar, Sebastião, pressionado pela opinião pública, vingou a morte do seu filho. Começava então uma batalha de quase dois anos nos tribunais num dos casos jurídicos mais controversos da história. Hoje, o túmulo de Clodimar é o mais visitado no Dia de Finados, tornando-se um santo popular

Clodimar - Do Crime ao Santificado Popular

Fotografias Renato Domingos

Direção Tânia Farias e Roberto Corbo 

Maringá/Pr - 2017

96b18de7-1396-4a94-b609-5c7c54b78c9f_rw_
b443edd3-822c-432c-b795-0891055db604_rw_
2a9a8ece-3504-43f9-b92b-c51338bde5d9_rw_
7a2e7a13-5d28-42ca-ac26-1a74612e1254_rw_

Processo de Criação

Clodimar - Do crime ao santificado popul
18555968_1810867328924680_40997201076702
18519816_1810906425587437_17916854891883
18486077_1810881205589959_30407856370683
18739919_1334175820002097_25260943284826